Qual a relação entre Aldir Blanc e as cooperativas?

Compositor morto pela Covid-19 deu nome à lei que está garantindo renda para trabalhadores da cultura, empresas culturais e também para as nossas cooperativas, (Lei 14.017/2020)

Farol Conteúdo
17/09/2020

 

Muito antes de dar nome uma lei, Aldir Blanc já cantarolava em uma de suas músicas mais famosas: “o show de todo artista tem de continuar”. E é isso que a lei que leva seu nome (14.017/2020)  está fazendo pelo pequenos produtores culturais do Brasil.

Sancionada em 29 de junho, a Lei Aldir Blanc — que homenageia o compositor, falecido em maio, vítima da Covid-19 — prevê a destinação de R$3 bilhões para garantir renda de R$600 a trabalhadores da cultura, ou subsídios de R$3 a R$10 mil para manutenção de espaços artísticos e culturais, micro e pequenas empresas culturais, instituições e organizações culturais comunitárias e … cooperativas.

Sim, graças a um intenso trabalho de representação política, conseguimos garantir a menção expressa às cooperativas nessa lei. Com isso, garantimos legalmente nosso direito a pleitear os benefícios previsto para o setor.

A produtora cultural Marília de Lima, que trabalhou por seis anos na Cooperativa Cultural Brasileira (e chegou a presidi-la), comemorou a aprovação da Lei.

 

Infelizmente a área cultural, criativa e do entretenimento é a primeira que para e, provavelmente, vai ser a última a voltar. Por isso, essa lei é de extrema importância para o setor”, explica.

 

Crédito: Shutterstock

 

A Lei Aldir Blanc atende  artistas, contadores de histórias, produtores, técnicos, curadores, trabalhadores de oficinas culturais e professores de escolas de arte e capoeira que estejam sem emprego formal, com comprovada atuação na área nos últimos dois anos e renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa da família. No caso das instituições — dentre as quais, as cooperativas — há uma relação direta entre a execução do fazer artístico e o funcionamento administrativo delas. Daí, a importância do auxílio para a manutenção destes espaços.

 

Muitas cooperativas, associações e empresas desenvolvem projetos e têm uma estrutura que precisa ser mantida. E como não está sendo possível se apresentar, elas estão financeiramente descobertas. Então, é interessante saber que poderão contar com uma verba  para tentar se manter nesse período. É mais um pontinho que a cultura, que a arte, acaba ganhando”, defende Marília.

Cabe, é claro, lembrar do importante papel que o setor cultural está desenvolvendo no decorrer da pandemia. Basta se perguntar: quantas lives, filmes e programas de televisão você já assistiu? Quantos livros leu? “Um dos grandes salvadores para que as pessoas ficassem em casa e fizessem isolamento social foi poder acessar a cultura das mais variadas formas. Agora tem até empresa se especializando em lives, uma parte do mercado que a arte ainda era um pouco reticente”, conclui a produtora.

Quer saber mais sobre a Lei Aldir Blanc? Dá uma olhadinha na matéria que selecionamos para você! E para conhecer melhor o compositor que deu nome à lei, assista esse vídeo:

 

 


Esta matéria foi escrita por Farol Conteúdo e está publicada na Edição 30 da revista Saber Cooperar. Baixe aqui a íntegra da publicação