“O bom líder tem de gostar de pessoas”

Conheça a história de uma das lideranças mais admiradas do cooperativismo brasileiro: Ronaldo Scucato, um homem que desde os 15 anos vive da cooperação

Farol Conteúdo
01/11/2022

Ele é pontual. Aparenta ser muito sério e bem objetivo. É direto nas ordens, sempre de forma educada. Quando o áudio da entrevista dá eco, sério, pede uma solução à equipe. É prontamente atendido. A ”fama” de que Ronaldo Scucato, 85 anos, é “bravo” parece se confirmar, mas a impressão dura apenas os primeiros minutos de conversa. Logo, ele se solta, começa a contar sua longa trajetória de sete décadas no cooperativismo, os segredos de ser um líder e a paixão pelas pessoas. 

Dependendo do tema, ele fecha os olhos tingidos do mesmo tom azul-turquesa da camisa polo que veste e solta uma gargalhada gostosa. Este mineiro reclama que Brasília é uma cidade feita com tesourinhas em excesso, mas, ao final de uma hora de bate-papo, até promete tomar um café pessoalmente quando estiver de passagem pela capital — o que só confirma outra qualidade que lhe é atribuída: a de ser uma companhia descrita no superlativo. Agradabilíssima. 

Mas, de onde vem, então, a fama da braveza.? “Minha?”, ele se pergunta, arregalando os olhos como quem parece não concordar. “Eu sou enérgico”, prefere definir. “Eu faço muita cobrança a mim mesmo. Ninguém tem direito de cobrar de seu semelhante antes de cobrar a si próprio, nem de olhar para o outro de cima para baixo, a não ser para lhe dar a mão e ajudá-lo a subir”, afirma Ronaldo Scucato, uma das lideranças mais admiradas de todo o cooperativismo, que atualmente presidente o Sistema Ocemg — Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado de Minas Gerais.   

Há quem aposte que a personalidade forte é herança que corre nas veias. Scucato é neto de italianos, de por parte de pai e mãe. Ele e os cinco irmãos pertencem à  segunda geração da família europeia que nasceu nas Américas, mais especificamente em Belo Horizonte. E foi justamente por causa da tradição familiar que ele começou a trabalhar muito cedo e, consequentemente, ouviu falar pela primeira vez do cooperativismo, quando ainda era um menino jovem de 15 anos.   

O COMEÇO

Família italiana, conta Scucato, incentiva os homens a buscarem o autossustento desde muito cedo. Os rapazes são estimulados a conquistarem, o quanto antes, a própria independência financeira. pensando nisso, Ronaldo procurou trabalho em uma cooperativa de consumo de funcionários do Departamento de Estradas de Rodagem (DER). Isso aconteceu há 70 anos.    

Naquele tempo, o Brasil vivia uma efervescência de desenvolvimento impulsionada pelo governo de Juscelino Kubitschek, com a abertura de novas estradas e o investimento em obras para a construção de uma nova capital. O DER se tornou um dos órgãos públicos mais importantes do país, e foi lá que Ronaldo encontrou seu primeiro emprego: em um supermercado exclusivo para os funcionários e os familiares da cooperativa vinculada ao departamento.  

Sua função estava atrás no balcão. Atender gente que levava consigo uma listinha de compras escrita à mão era a missão. Era também a oportunidade de conversar e oferecer atenção diferenciada àquela clientela.  “Foi aí que aprendi a gostar de gente. A gente convive com a pessoas, mas só o contato faz com que você comece a admirá-las. Conviver é uma coisa, mas gostar é outra”, afirma.  

Tal habilidade é um dos segredos que transformam um homem comum em um grande líder. Ronaldo se tornou um deles.

O bom líder tem que gostar de pessoas. Sem gostar de gente, não se exerce liderança. Depois, tem que mostrar confiança na sua equipe. Tem que saber delegar e entender que ele não consegue fazer tudo sozinho”, acredita. “As pessoas veêem no rosto do líder que ele gosta daquilo que faz. Elas reconhecem que ele está trabalhando por amor. É essa a energia que elas sentem ao conhecer uma liderança”, acrescenta. 

Quem trabalha com Ronaldo confirma a tese defendida por ele. Luiz Gonzaga Viana Lage, diretor- presidente do Sicoob Central Cecremge, garante: o amigo é o tipo de gestor que não manda recado por e-mail ou por ofício. É o tipo de chefe que convida para uma conversa, olha nos olhos, se preocupa com o outro, quer ouvir e ajudar as pessoas. Assim, ele forma suas equipes, na base da confiança e do apoio mútuo. 


“A grande maioria das cooperativas de Minas Gerais, e até do Brasil, o reconhecem como líder, como um grande conhecedor e como grande estudioso do cooperativismo”, afirma Luiz.

DECANO DO COOPERATIVISMO

Aquele menino que tomou gosto por gostar de pessoas ainda na adolescência, se interessou pelo cooperativismo e começou a estudar o tema na mesma época. Ronaldo lembra que, nos anos 1950, pouca bibliografia existia sobre o tema. Ele foi atrás de instituições internacionais que pudessem explicar melhor como funcionava aquele modelo de negócio que valorizava, acima de tudo, o capital humano.

Esse é o conceito do cooperativismo: preparar as cooperativas para fazer bons negócios, para atuar no mercado, para disputar lugar e ter resultado positivo. Só assim é possível retirar recurso para aplicar no social. Isso faz a nossa diferença para uma empresa essencialmente mercantilista”, entendeu.  

Desde aqueles tempos de garoto curioso, impulsionado pelo desejo de conquistar a autonomia econômica precocemente, o neto de italianos não parou mais de trabalhar. Formou-se em Direito, Administração e Economia. Passou pelas universidades de Minas Gerais, de Curitiba e de Bolonha, na Itália. Atualmente, além de presidente do Sistema Ocemg, é presidente da Federação dos Sindicatos das Cooperativas dos Estados de Alagoas, Bahia, Espirito Santo, Minas Gerais e Santa Catarina (Fecoop-Sulene); diretor da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), ); conselheiro do Sebrae-MG, e membro do Conselho Estadual de Cooperativimo (Cecoop-MG).  

À lista de cargos ocupados somam-se os de fundador e presidente da Confederação Brasileira das Cooperativas de Crédito (Confebras). Também foi diretor, vice-presidente e conselheiro da Sicoob Central Cecremge; vice-presidente da OCB, e coordenador da Comissão Nacional de Juristas que elaborou o anteprojeto da Lei Cooperativista, entre outras cadeiras nas quais já esteve sentado.  

Tanta experiência e tanto conhecimento conferem a Scucato o título de “decano do cooperativismo — aquele, como define o dicionário, que há mais tempo faz parte de uma associação, fundação, sociedade etc. Um deão. 

Ronaldo Scucato é um defensor intransigente do cooperativismo e tem sido uma das mais importantes lideranças deste extraordinário movimento nas últimas décadas no Brasil, presente em todos os momentos relevantes da história da OCB e de sua gestão. É uma referência indispensável para quem quiser conhecer a doutrina cooperativa e sua prática no Brasil e no mundo”, resume Roberto Rodrigues, ex-presidente da Aliança Cooperativista Internacional e atual coordenador do Centro de Agronegócio da Fundação Getuúlio Vargas.

E de onde vem tanta energia para cumprir uma agenda tão cheia e um currículo tão extenso? “Oh, pergunta difícil!”, exclama Scucato depois de um tempo. Pensa mais um pouco e conclui: “Acho que tenho essa energia herdada dos meus pais, que sempre foram muito operantes e trabalhadores”. 

O pai começou a vida como carpinteiro e chegou ao fim dela como instrutor de aeronáutica, preparando centenas de pilotos pelo país para tirarem o brevê. A mãe era uma mulher sábia, que falava três idiomas: português, francês e italiano. Era extremamente dedicada à família e despertou no segundo filho o amor pelas pessoas.   

Talvez seja essa uma parte do segredo de sua vitalidade, deduz. A outra, diz com os olhos azuis brilhando, ele atribui ao divino. “Não sou carola nem beato, mas acredito em Deus e acho que essa energia vem Dele e da Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Eu me encantei por ela e sou devoto”, afirma, enquanto exibe a corrente na qual leva ambos junto ao peito. 

MEMÓRIA INVEJÁVEL

Sem duvidar da proteção que vem dos céus, Ronaldo faz sua parte para manter corpo e mente sãos. Ler um bom livro, estudar,  e atualizar o conhecimento estão incluídos na lista para reforço da saúde mental. Exercício físico? Já foi mais assíduo e até pouco tempo atrás praticava esportes. “Mas aAgora estou meio malandro”, dá uma boa risada. “Mas pretendo retomar”, promete. 

Ronaldo já foi atleta. Com mais ou menos 10 anos de idade, começou a jogar vôlei. Com 1,83m de altura, se deu bem nas quadras e foi parar na Seleção Brasileira. Hoje, está parado. Culpa da “preguiça”, explica. “Tem uma piada que diz: ‘sabe onde o peixe vive? No mar.’ E a girafa? Na floresta. E a preguiça? Dentro  da gente…”, e solta outra boa gargalhada. 

Quem conhece o Ronaldo objetivo e enfático no trabalho, também revela um lado descontraído e brincalhão. “Ele é uma pessoa extremamente agradável e alegre, e tem uma relação de muita simplicidade no trato com as pessoas e com os amigos. Nos momentos de descontração, sempre procura externar esse lado de bem com a vida”, descreve Geraldo Magela, assessor institucional da Ocemg e amigo de longa data do presidente da Organização.    

Além de um bom contador de “causos”, dizem que Ronaldo é dono de memória invejável. “Ele é capaz de citar personagens de 200 anos atrás como se estivessem vivos até hoje”, brinca. Impressionado com tal habilidade do amigo, Geraldo faz questão de contar uma experiência compartilhada com ele. 

Em uma viagem institucional à Inglaterra, Ronaldo propôs, ao fim dos trabalhos, que o grupo fizesse um passeio a Stratford-upon-Avon, terra natal de William Shakespeare. Ali, ele deixou de ser o gestor, o líder e virou o guia turístico, o professor. O mineiro conhecia em detalhes a vida do poeta e dramaturgo inglês, e deu uma aula de história aos colegas de trabalho. Geraldo ficou encantado com o que aprendeu e elogia a generosidade do amigo em compartilhar sua cultura e seu conhecimento. “Foi muito especial. Ele é uma pessoa que tem uma cultura geral extraordinária, uma longa experiência de vida. Então, os momentos que temos de descontração juntos são de grande aprendizado.” 

Scucato já visitou muitos lugares. Tantos que nem sabe citar dos  quais mais gostou. Conheceu paisagens inesquecíveis no “sul da França, no norte dos Estados Unidos. “Ah, são tantos lugares bonitos…”. Mas, diga um lugar maravilhoso: “Belo Horizonte”, não titubeia.  

COMPETITIVIDADE INTERNACIONAL

Viajar, aliás, é um grande prazer para este cooperativista. Seja por lazer ou a trabalho. Recentemente, esteve na Dinamarca e chegou há pouco da Escócia. Ossos do ofício. Ronaldo investe na formação profissional de seus líderes e aposta em um tour internacional de preparação de seus dirigentes. Eles vão aprender no exterior o que tem de mais moderno, atual e eficiente sobre gestão de negócios.  

Os gestores liderados por Scucato são preparados por uma equipe pedagógica de excelência em Minas Gerais. Depois, arrumam as malas e seguem rumo às universidades de Lisboa, da Suíça e da Dinamarca. 

Praticamente todos os meses estamos levando gente para fora do país, para ver o que está acontecendo no mundo. É uma preparação não só para a gestão, mas também voltada para o social. Você não constrói um paraíso social em cima de uma ruína econômica. Você tem que ter os resultados positivos para mitigar as diferenças sociais. Para isso, temos que ter cooperativas fortes, e esse orgulho eu tenho: o de preparar as nossas lideranças”, ele fala e bate, literalmente, no peito. 

O olhar para o indivíduo é mesmo uma virtude forte da liderança exercida por Scucato. Ele acredita nas pessoas e defende que nenhum líder constrói projeto solo. “Líder deve ter o dom de saber que não é o criador”. Por isso, defende as relações horizontais e as parcerias. Cooperativismo é um sistema feito de gente para gente. 

SANGUE NOVO

Ronaldo incentiva o empreendedorismo e a força do jovem que “chega trazendo um sangue novo”, trazendo inovação e criatividade. Ele acredita, especialmente, nas mulheres, “donas da persistência e da capacidade de influenciar, e muito, o comportamento do cooperado frente à cooperativa”. Ele admira a competência, o perfeccionismo, a organização e a facilidade que elas têm em desenvolver multitarefas. 

No sistema Ocemg, temos 10 gerências, e cinco estão com mulheres. Eu acho que não é só o futuro do cooperativismo que é feminino. Pelo que a gente assiste, cabe a elas o futuro do mundo.”    

Apostar nas pessoas e se preocupar com elas, aliás, é outro predicado muitas vezes atribuído a Ronaldo. Na sua rotina, ele coloca em prática o 7º princípio do cooperativismo, que prega o “interesse pela comunidade”. Tanto que, em 2009, resolveu formalizar a bandeira de ajudar o outro e marcou no calendário um dia exclusivo para cooperar. Nasceu assim, o Dia C, entre as cooperativas de Minas Gerais. 

A proposta é que cada cooperativa ajude da forma que for possível: uma arrecada alimentos; outra doa materiais hospitalares; podem fazer doação em dinheiro; há quem ofereça exames de oftalmológicos e óculos às crianças com deficiência visual e, com isso, melhore o rendimento escolar delas. Há quem contribua com a expertise em reciclagem de eletrônicos, ; outros, com fontes renováveis de água ou energia fotovoltaica, só para citar alguns exemplos. Cada um coopera como pode. 

A união foi tão transformadora que o resto do país seguiu o exemplo, e a data passou a ser celebrada, desde 2014, em todo o Brasil. O projeto foi reconhecido até pela Organização das Nações Unidas, e Scucato foi convidado, em 2017, para ir à Malásia apresentá-lo ao mundo. Por aqui, no ano passado, as ações do dia C beneficiaram mais de 5 milhões de cidadãos Brasil afora. “Não quero ficar ostentando, mas foi uma ideia minha.”. 

Entre tantas conquistas das quais o presidente da Ocemg se orgulha, de uma delas ele se sente ainda mais prodigioso: de ter arrebatado o coração de Norma. Quando cita a mulher com quem foi casado por 51 anos, noivo por três e namorado durante outros três, ele pede para que busquem uma foto dela. 

Norma partiu há 14 anos, mas Ronaldo mostra a aliança na mão esquerda e diz que continuam casados. Nós combinamos em vida que, quando um morresse, o outro não tiraria a aliança.” Filhos, não tiveram. Restam as lembranças de um casamento feliz. “Norma era muito conhecida no cooperativismo, e todos diziam que, se eu estava com ela, eu deveria prestar para alguma coisa”, brinca, orgulhoso desse seu feito perfeito.


Esta matéria foi escrita por Flávia Duarte e está publicada na Edição 39 da revista Saber Cooperar. Baixe aqui a íntegra da publicação


Leia outras notícias da revista Saber Cooperar

  • 2020 © Somos Coop. Todos os direitos reservados.